Rio de Janeiro
Most viewed of Agenda Rio de Janeiro
Do you know of any event that is not in TodoRio.com?
Send us your event information in an email to
contato@todorio.com.
Where To Stay Rio de Janeiro
Leme
Abraço Carioca
O Abraço Carioca-Favela Hostel está localizado na comunidade Chapéu Mangueira. Os quartos e o terraço possuem uma vista incrível.
Catete
The Maze
Hotel na comunidade Tavares Bastos também abre pra shows e eventos.
Laranjeiras
Refúgio
A casa que abriga o Refúgio Hostel foi construída no final do século XIX, e encontrava-se sem função fazia algum tempo.
View all
Blog highlights Rio de Janeiro
Fri, 15/08/2014 - Lapa
A legítima herdeira do rock feminino brasileiro
by Fernando Flack
Se tem alguém no rock brasileiro atual que arrasta multidões de fãs enlouquecidos para seus shows é Priscilla Novaes Leone, popularmente conhecida como Pitty. Desde que despontou em carreira solo com o álbum - já clássico - “Admirável Chip Novo” (2003), passando pelo celebrado “Anacrônico” (2005) e por “Chiaroscuro” (2009), suas apresentações são tomadas por uma presença de palco enérgica, por uma banda precisa e por um público enfeitiçado.

Com o lançamento de seu novo trabalho “Setevidas” (2014) não tem sido diferente. Tanto que os ingressos para os dois dias de shows da cantora no Circo Voador (RJ) - hoje e amanhã - já estão esgotados.

Os detratores do pop, do sucesso, dos ícones radiofônicos ou midiáticos, das mulheres de personalidade e do senso crítico, podem espernear à vontade. Pitty é ícone, é musa, é sex symbol, é questão. Independente das reprovações, quase sempre mal sustentadas, de quem a critica.

Suas fontes de inspiração nem sempre são de alcance fácil. Como compositora e cantora espalha ideias e contestações por aí, sempre em forma de melodia. Ela não esconde o que quer e sabe da importância de se fazer ouvir. Fazer som para meia dúzia de ouvintes, definitivamente, nunca esteve em seus planos.

Pitty ostenta, com firmeza, a herança da realeza do rock feminino nacional atual, seguindo a linhagem iniciada por Celly Campelo, encabeçada por ninguém menos que Rita Lee, e conduzida com estrelismo por Paula Toller e Cássia Eller nas décadas seguintes.

É sempre inacreditável e exuberante assistir a explosão de testosterona que culmina nas famosas rodas de shows de rock, onde machos - em sua esmagadora maioria - se esbarram alucinados, sob um transe oriundo do peso típico desse gênero musical. Mas impressionante mesmo é assistir a toda essa explosão sob o comando de uma mulher. E Pitty sabe proporcionar tais momentos e conduzi-los com a maestria de quem tocou, desde moleca, no cenário do rock underground em bandas como o Inkoma.

Não é pra qualquer um ter fãs apaixonados que lotam os shows, mesmo em tempos de crise na indústria fonográfica e em um cenário no qual o rock nacional cambaleou por um bom tempo, apesar dos fortes sinais de renascimento que se esboçam por essa década.

É evidente que Pitty esteve presente nas rádios e canais de televisão desde a sua estréia em carreira solo em 2003. Mas é preciso atentar para o detalhe de que é ela, desde então, quem ainda sustenta o rock de guitarras distorcidas e riffs agressivos nas programações recheadas de leves músicas pops das FMs e TVs, dando continuidade ao caminho aberto por bandas como os Raimundos.

E não há brasileiro, de qualquer idade, que não conheça trechos de seus refrães recheados de agudos e distorções. Afinal, quem passou incólume aos acordes iniciais e ao refrão ‘bizarro’ de “Máscara”, seu primeiro hit de repercussão nacional imediata ?

---

Fernando Flack é músico e compositor. É apaixonado por artes em geral, mas ama a música acima de tudo. É redator do jornal Redentor do Festival de Cinema do Rio e escreve regularmente para a coluna musical do Todo Rio.

 
Thu, 24/07/2014
Rolé Carioca 2014
by Joana Medina

O Rolé Carioca está de volta em 2014 com novidades e surpresas. Esse ano, os passeios vão acontecer pelos bairros Botafogo, São Cristóvão, Região Portuária, Meier, Praça XV-Castelo e mais um bairro que só será revelado mais pra frente.

Dessa vez, o público que acompanhar os professores da Universidade Estácio poderá entrar em locais de importância histórico-cultural para o Rio e o Brasil.

Para participar dos passeios, não é necessário fazer inscrição, basta aparecer no dia, horário e local marcados, é gratuito.

O Rolé Carioca, projeto realizado pelo Estúdio M’Baraká e a Estácio, em sua segunda edição, propõe uma viagem no tempo por bairros históricos do Rio que traduzem a alma da cidade além da visão poética “praia e sol”. A ideia é desvendar os detalhes e nuances que passam despercebidos. Para mostrar os diversos atrativos desse “Lado B” do Rio, professores do curso de História da Estácio elaboraram roteiros para passeios gratuitos por seis bairros.

Os eventos são realizados preferencialmente no último domingo de cada mês, mas em outubro, em virtude das eleições, o passeio no bairro surpresa está marcado para o dia 19. Além disso, o encerramento do Rolé Carioca 2014 será feito em 25 de janeiro de 2015, com a visita à Praça XV e o Castelo. Em dezembro não haverá passeio, por causa das festas de fim de ano.

Os pesquisadores

Rodrigo Rainha
É Coordenador do curso de História da Estácio no Rio de Janeiro e doutor em História Comparada pela UFRJ. É professor do Departamento de História da Universidade Estácio, tem diversos artigos publicados no meio cientifico e costuma levar, sempre que pode, a História para as ruas e rotina das pessoas. Neste projeto é responsável pela pesquisa de conteúdos, é professor-guia nos 6 roteiros e produz textos para cartilhas.

William Martins
É Doutor em História pelo programa de pós-graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGHIS/UFRJ). Mestre em História Social pelo PPGHIS/ UFRJ (2004). recebeu menção honrosa no Prêmio de Pesquisa Professor Afonso Carlos Marques dos Santos 2006 do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro com o trabalho “Paschoal Segreto: ‘ministro das diversões’ do Rio de Janeiro (1883 - 1930)”. Atualmente é professor e coordenador pedagógico nacional de História da Estácio. Neste projeto é responsável pela pesquisa de conteúdos e é um dos professores-guia nos 6 roteiros.

 

Locais, datas, horários e pontos de encontro

Botafogo – 27 de julho, de 9h às 12h
Ponto de encontro: Praça Nelson Mandela

São Cristóvão – 31 de agosto, de 9h às 12h
Ponto de encontro: saída do metro de São Cristóvão – porta da Quinta da Boavista

Região Portuária – 28 de setembro, de 9h às 12h
Ponto de encontro: em frente ao museu MAR

Bairro surpresa – 19 de outubro, de 9h às 12h

Meier – 30 de novembro, de 9h às 12h

Ponto de encontro: Praça Agripino Grieco – Rua Dias da Cruz

Castelo - Pça XV – 25 de janeiro, de 9h às 12h
Ponto de encontro: Praça XV em frente ao Paço Imperial.

 
Sun, 13/07/2014
1º Festival de Inverno CADEG
by Joana Medina
O Mercado Municipal do Rio – CADEG - prepara mais um festival gastronômico para agradar o paladar do público nessa estação. Entre os dias 18 de julho e 2 de agosto acontece o 1º Festival de Inverno com pratos tradicionais, novidades, queijos, vinhos e cervejas. A festa de encerramento conta com show de jazz, desfile, exposição e muito mais.

Participantes:

A Gruta São Sebastião servirá o Bacalhau Moda do Porto (lombo de bacalhau assado com ovos, cebola, alho, azeitonas e batata portuguesa – R$ 131,00 – para duas pessoas) com acompanhamento grátis de uma garrafa do vinho tinto Português Outeiro São Romão para ser consumido junto com o prato.

O Espetáculo preparou duas sugestões. A primeira é um menu completo: De entrada, um mix de queijos Marília, de prato principal uma deliciosa Alcatra Recheada com queijo acompanhada de arroz à brasileira, batata portuguesa e molho à campanha escoltado de duas garrafas da cerveja Therezópolis Gold. Para fechar, banana na brasa de sobremesa (R$ 109,80 – para duas pessoas). A segunda opção é um petisco de Joelho de Porco na brasa – joelho de porco semidefumado recheado com palmito de pupunha – harmonizando com duas garrafas de Paulaner Naturtrüb (R$ 59,80 – para duas pessoas).

Empório Quintana participa com o Tornedor de Mignon (220g de filé mignon com risoto de tomate pelado, coroado com presunto de parma – R$ 43,90 – prato individual).

O Empório Gourmet Show traz dois menus como sugestão para seus clientes com entrada, prato principal, vinho e sobremesa. O primeiro é composto de mix de queijos Marília como entrada, T-Bone de Cordeiro à moda Empório com purê de batata baroa e molho chimichurri de prato principal harmonizando com uma garrafa de vinho grego Thalassa Cabernet Sauvignon e de sobremesa banana grelhada (R$ 159,80 – para duas pessoas). A segunda alternativa é o Mix Francês. Compõe de entrada um mix de queijos Marília, de prato principal a Picanha Suína grelhada com guarnição à francesa servida com uma garrafa de vinho francês Prestige Rosé e banana grelhada de sobremesa (R$ 139,80 – para duas pessoas).

O Costelão do Cadeg apresenta a Paleta de Cordeiro (paleta de cordeiro marinada em vinho branco e ervas finas, arroz de brócolis, batata corada, molho da casa e salada da casa – R$ 119,90 – para duas pessoas).

O Barsa do chef Marcelo Barcellos participa com o Risoto para Giovanni (risoto de ossobuco de cordeiro ao vinho com mix de cogumelos frescos, trabalhado com arroz arbóreo – R$ 126,00 – para duas pessoas).

O Brasas Show Galeteria serve um menu composto de entrada, prato principal, vinho e sobremesa chamado de Menu Uruguaio. Faz parte um mix de queijos Marília, de prato principal o Bife de Chorizo uruguaio acompanhado de purê cremoso harmonizando com uma garrafa do vinho Casa Perini Tannat e de sobremesa banana na brasa (R$ 129,80 – para duas pessoas).

 

Festa de encerramento |  dia 02/08/2014.
Programação:
Desfile de moda: 19h às 19h30
Lançamento de livro: 20h30 às 21h30
Desfile de moda do projeto EcoModa: 21h30 às 22h
Exposição da designer gráfica Bruna Baars: 18h às 23h
Música ambiente: 18h às 23h

 
Tue, 01/07/2014 - Zona Portuária
Pedra do Sal
by Colaborador TodoRio

Tantos são os locais no Rio de Janeiro onde se sente a filosofia carioca. Fui convidada a experimentar um lugar onde o Morro foi feito de Samba e onde não se deixa o Samba morrer. A Pedra do Sal fica bem próxima do Porto Maravilha, na Praça Mauá, na Boca do Morro da Conceição. Um local onde a história ocupa lugar. Em tempos antigos, numa altura onde o mar banhava este morro, aqui se descarregava o Sal proveniente da Europa. Do Sal passou-se ao comércio de escravos e do comércio de escravos já na fase de abolição da escravatura passou-se a fazer deste lugar uma pequena África no Centro do Rio de Janeiro. Os ex-cravos deram uma nova vida a esta Pedra. Aqui levaram a alegria das suas raízes e proporcionaram momentos onde a dança e a música negra imperavam. Há quem diga que foi aqui que o samba deu os primeiros passos, que aqui nasceu o samba urbano carioca, os sambistas, os antigos ranchos carnavalescos até o próprio Carnaval. 

Por dentro de uma rua antiga vai-se olhando para as paredes, para as pinturas que avivam a alegria deste lugar. O cinza das escadas, da pedra, do chão contrasta com as cores vivas dos desenhos presentes em volta da Pedra. Desde o senhor que toca cavaquinho de forma alegre e humilde, os pássaros desenhados num branco que prova que o amor aqui se traz, até à placa onde se lê a história da Pedra que faz com que os mais curiosos dêem sentido ao lugar onde estão. Começando a ver os desenhos nos edifícios laterais, temos junto a eles um conjunto de escadas do lado esquerdo que permitem chegar ao edifício onde as aulas de samba se dão, onde em tempos de grande agitação e roda de samba, se tem uma perspectiva ampla de todo esse lugar.

No edifício das aulas de Samba os desenhos que nele existem têm mensagens de liberdade, de vida e de igualdade. Mensagens que convidam qualquer um a entrar. No meio, junto à Pedra, é desenhada a roda de samba que juntamente com os bares que nela se fundem animam as Sextas-Feiras. Do lado direito a Pedra íngreme sobe bem alto até aos prédios que fazem parte desta sua arquitectura. Em dias de roda de samba, esteja sol ou até mesmo chuva nada impede de se ouvir um bom samba de raiz que faz os cariocas e turistas animar. A Pedra de cinzenta passa a estar cheia de pessoas que todas juntas cantam em coro a música que a roda vai entoando. O acompanhamento está feito. Centenas de pessoas se encantam e se juntam ao bom espírito presente nesta Pedra. 

Todas as terças-feiras é dia para aprender um pouco do Samba de Raiz. As aulas do Batuque do Wagninho são abertas a todos, independentemente do género, classe social, cor, estilo e país. Aqui o samba é de todos e a democracia de quem o ensina prova que não há limites nem barreiras culturais para aprender. A contribuição é ajustada ao que se aprende (20 reais por aula) e a liberdade que ali se sente faz das terças-feiras uma boa rotina difícil de se quebrar. Pode já saber-se muito, pouco ou até nada, no entanto, nestas aulas de convívio multicultural aprende-se a história de sons de tempos antigos que por ali passaram.

Nestas aulas, os Instrumentos Tradicionais Brasileiros brilham e fazem a festa dos que ainda estão a aprender. Os pandeiros, em grande número, assumem o papel de agitar a galera colocando a vontade de sambar nos seus pés. Os Tamborins marcam o ritmo, num passo agitado e bem coordenado. O cavaquinho é solista e denota-se no grupo. As vozes aprumam-se para cantar o Samba da Liberdade. Desce-se as escadas, faz-se a roda na pedra e sente-se que o Samba de Raiz liga-se mais uma vez a este lugar. Onde o Samba não tem cor e onde o Samba faz as delícias de quem o quer ouvir e tocar.

 

Por Carina Alentado

- - -  

Portuguesa, apaixonada pelo Rio de Janeiro. Escrever é para ela recordar e fotografar é sua a nova forma de se expressar. Gosta de viver na cidade maravilhosa e das alegrias que as suas paisagens lhe transmitem. A dança e a gastronomia são os seus momentos de descontração. Adora o otimismo com que se fala no Rio. "Valeu" é a expressão que mais gosta de utilizar e agradece todos os dias a oportunidade de aqui ficar.

 

View all
Map Rio de Janeiro
TodoRio.com © 2014 . Terms of use . Privacy policy . Notifications